Monday, August 23, 2021

Nebulosa do Pelicano

Muitos astrônomos amadores nem tirariam seus equipamentos da caixa para tentar capturar algum objeto de céu profundo durante o pico da Lua cheia. Isso é que se escuta e se lê por ai... resolvi testar eu mesmo e tirar minhas conclusões.

Joguei tudo no bagageiro da rural e parti para dentro do cerrado goiano em um céu bortle 5. Planejei tentar um astro que ficasse o  mais distante possível da Lua no céu, que me permitisse algumas horas de trabalho e que fosse uma nebulosa de emissão, já que eu iria usar um filtro de banda estreita.

A escolha foi a Nebulosa do Pelicano. Região de emissão na constelação de Cisne (próxima a estrela Deneb) situada a 2.000 anos-luz da Terra. Essa é uma região de HII, caractetizada pela presença de gases Hidrogênio ionizado (principalmente na linha H-alpha) e Helio, que em Pelicano estão se tornando mais quentes gradativamente devido a presença de estrelas jovens e quentes.

Espera-se desse tipo de região uma tonalidade mais rosada/avermelhada (devido as linhas de Hidrogênio e He). Mas é possível também observar regiões menores em outras tonalidades.


A curiosidade que trago aqui é uma estrutura (aparenta um filamento) na parte de trás da cabeça do pelicano cósmico. Esse tipo de estrutura é comum em regiões HII. Foi catalogada como IC5067 e se estende por 10 anos-luz!


Foram aproximadamente 7 horas de captura durante duas noites de Lua cheia! Acho que valeu a pena!

Céus limpos!

@astronomiaNoCerrado

Wednesday, August 11, 2021

Nebulosa da Cobra

Região na constelação de Ophiucus onde o contraste entre o campo estrelado e as porções do cosmo onde a luz não consegue atravessar a enorme quantidade de poeira, dá origem a Nebulosa escura da Cobra.

Impressionante a quantidade de estrelas que vemos nesse pequeno campo de menos de 3x2 graus não é?  E ainda sim uma porção muito pequena das centenas de bilhões de estrelas da nossa Via Láctea!!


Céus limpos!

@astronomianocerrado


Monday, August 9, 2021

Nebulosa do Véu (Parte Oriental)

Exatamente em Agosto de 2020 capturei a parte ocidental desse remanescente de supernova contendo NGC6990 e Pickering's Triangule, que pode ser visto nesse post Nebulosa do Véu Ocidental. Depois de longos 12 meses de espera, trago aqui a porção oriental (NGC6995) dessa grande nebulosa descoberta por William Herschel no século XVIII.


Todas as partes dessa nebulosa se projetam por um campo bastante grande de aproximadamente 3 graus, muito além do que meu pequeno refrator consegue capturar. Assim que puder e tiver um equipamento mais apropriado, trago todo o complexo em uma única imagem.

Céus limpos a todos

@astronomiaNoCerrado

Sunday, August 8, 2021

Galáxia de Andrômeda, efeito doppler e expansão do universo

Estava em dívida com Andrômeda desde de minha última e única tentativa de captura-la! as falhas foram tantas que a fotografia nem de longe conseguia apresentar as belezas dessa nossa vizinha.

Além de apresentar minha mais recente captura dessa gigante espiral com massa solar estimada superior a da nossa própria galáxia, vale comentar rapidamente sobre expansão do universo e efeito doppler.

Galáxia de Andrômeda. Foram 4 horas de captura.

Sabemos que segundo a teoria da relatividade de Einstein e os trabalhos experimentais de Hubble é forte a teoria de que o universo está em expansão, mas como se sabe disso ? Resumindo a história, Hubble identificou que havia uma diferença, um deslocamento para o vermelho, das ondas de luz analisadas de todas as galáxias. Esse resultado na mudança da frequência/comprimento de onda da luz em relação ao observador (nós) e a fonte (galáxia) é explicado pelo efeito doppler (na Cosmologia recebe o nome de Expansão Cosmológica). E como ele é para o vermelho, significa que as galáxias estão se afastando de nós! portanto o universo está em expansão.

ENTRETANTO ... Andrômeda (e algumas outras galáxias) possuem um deslocamento para o azul! E isso significa que o observador e a fonte estão se aproximando. Então a teoria de expansão do universo está errada ? 

A resposta é NÃO. Na verdade o que se sabe é que o deslocamento para o azul realmente acontece devido ao efeito da gravidade entre galáxias que fazem parte do mesmo grupo local ou que estão próximas, como é o caso da Via Láctea e Andrômeda. Quando se analisa galáxias mais distantes, o deslocamento é para o vermelho.

Céus limpos a todos

@astronomiaNoCerrado

Monday, August 2, 2021

ARP 271 e a Supernova 2021pfs

Este é um mundo distante. Localizado nos confins do universo observável com mais de 13 bilhões de anos de idade, ARP 271 é a designação dada a duas galáxias (NGC5426 e NGC5427) que estão interagindo a 60mil anos luz de distância uma da outra.  É possível notar que já há uma troca de gases/matéria entre elas, formando mais estrelas jovens e quentes dando essa tonalidade azul no braços da espiral.

Esse é um alvo bastante tênue e com tamanho aparente bastante pequeno para o equipamento que possuo, mas resolvi captura-lo para registrar aqui um supernova que foi descoberta em Junho desse ano pelo Zwicky Transient Facility (ZTF).

A Supernova 2021pfs é do tipo Ia e possui magnitude 14, acontece em um sistema binário de estrelas. Geralmente uma anã branca que está atraindo gases de sua companheira gigante vermelha. O acúmulo desse material vai aumentando a massa da anã e então ao ultrapassar o limite crítico de 1.44 massas solares, acontece a supernova.

Foram 5 horas capturando sinal desses mundos distantes!

NGC5426 e NGC5427

ARP271 e SN 2021pfs

Céus limpos a todos!
@astronomiaNoCerrado

Nebulosa Cabeça de Cavalo

A famosa região da Cabeça de Cavalo na constelação de Orion está localizada a 1.500 anos-luz da Terra na proximidade de uma das "As Trê...