Wednesday, August 26, 2020

Jupiter e Saturno

Agosto desse ano tem sido um mês diferente, logo após minha sessão de astrofotos na Chapada dos Veadeiros, que já não rendeu muito dada a grande nebulosidade, veio uma grande frente fria que foi se desfazendo e levando também embora as nuvens. Resolvi então montar meu SCT8 e câmera QHY5II, para fazer umas fotos planetárias. Segue o registro de dois gigantes gasosos do nosso sistema solar.

Update: Astrofotos foram atualizadas por versões melhoradas após recaptura.

Jupiter foi descoberto no inicio do século XVII por Galileu, porém como os outros planetas visíveis da Terra são observados desde o início da humanidade. Jupiter é especialmente fácil de identificar até mesmo nos céus das grandes cidades por ter um grande brilho aparente. Assim como os outros planetas, tem uma trajetória conhecida. A Ecliptica.
A pequena mancha que pode notada na foto no hemisfério sul de Jupiter é uma enorme tempestade na sua atmosfera gasosa. Apesar de parecer pequena, essa manchinha é maior que o nosso planeta.



Saturno, o planeta gasoso mais distante da Terra que pode ser observado a olho nú, também foi descoberto no inicio do século XVII por Galileu. Naquele instante já foi possível saber que haviam anéis ao entorno da sua enorme atmosfera gasosa, como comprova os primeiros desenhos de Galileu. Só mais tarde com algumas expedições da NASA foi possível entender melhor do que eram formados esses anéis, detritos de astros (asteróides, luas, etc). É possível observar na foto que sua atmosfera cria camadas de coloração diferentes, proveniente de diferentes gases e turbulências atmosféricas.



Céus limpos a todos!

Sunday, August 16, 2020

E assim termina a temporada

 Esse ano todos nós podemos dizer que foi muito difícil, para alguns só atípico. Mas o fato é que foi possivel viver novas experiências ou dar novo significado para as antigas sensações. Foi nesse ano que o propósito da astrofotografia para mim se tornou realidade, quando pude reunir minha família sob as estrelas, poder contemplar a beleza do cosmos com meus meus filhos e mesmo que o sono não permita, sei que estão logo ali explorando o universo em seus sonhos.
Foi assim que para mim terminou essa temporada 2020. Finalizo como tudo começou, apenas um tripézinho, uma câmera e uma lente revelando a beleza que temos sobre nós.

LIGHT: 1 x 20s, ISO 6400, 16mm, F2.8

Nebulosa do Véu (Oeste)


Esse é o resultado trágico da morte de uma estrela. A nebulosa do Véu é um SNR ou remanescente de supernova. Uma formação de gás e poeira cósmica deixados pela explosão violenta de uma estrela de grande massa. Trágico, porém belo! Para mim uma das nebulosas mais bonitas. Esse é o lado oeste, tentarei trazer o restante desse belo SNR no futuro!


LIGHTS: 28 x 300s, ISO 1600, Apo 80mm

Galáxia de Andrômeda


A galáxia de Andrômeda faz parte do grupo local de galáxias ao qual nossa via Láctea pertence, é a galáxia espiral mais próxima de nós. É um objeto visível a olho nú em céus escuros como o da Chapada dos Veadeiros, porém sem o uso de instrumentos só conseguimos localizar seu núcleo brilhante. Se fosse possível ve-la completamente, seria do tamanho aproximado de três luas.
Simulações mostram que há uma possibilidade (remota) de colisão entre Andrômeda e a Via Láctea!! Mas calma.. só daqui alguns bilhões de anos


LIGTHS: 28 x 300s ISO 1600, Apo Orion 80mm. Sem darks, flats e bias

Novidades para a próxima temporada e as razões

Enquanto a chuva predomina por aqui na região resolvi avaliar a possibilidade de melhorias no equipamento para a próxima temporada em 2021. ...