Tuesday, July 9, 2019

Chapada dos Veadeiros - Primeiro DSO a gente nunca esquece!

Hoje vou contar um pouco sobre como consegui meu primeiro frame de um objeto de céu profundo. Esse momento memorável foi registrado na Chapada dos Veadeiros - GO em julho de 2019. Sai de Brasília rumo ao Camping PachaMama, e aqui faço um parênteses para agradecer toda a hospitalidade dos donos do camping, com meu "astromóvel" sempre pronto para as minhas aventuras astronômicas pelo cerrado.
Chegando em Alto Paraíso - GO, peguei a estrada para uma outra cidadezinha bem conhecida na chapada que se chama São Jorge. O camping fica situado entre essas duas cidades e ao pé do famoso Morro da Baleia, formação inconfundível na região.


Ao chegar no camping, observei o lugar e o céu para achar o melhor lugar para montar todo o equipamento. Lugar escolhido, foi hora de retirar tudo do carro e começar a organizar tudo antes da luz do dia ir embora. Uma coisa curiosa aconteceu enquanto eu tentava posicionar minha montagem equatorial para o polo sul, minha bússola não conseguia obter uma orientação dos polos magnéticos. Achei curioso aquilo e fui comentar com a Kelly (dona do camping), ela então me disse que isso acontecia mesmo e que acreditava ser resultado da grande concentração de cristais no solo da região.
Bom, sem a bússola tive que partir para o método visual observando o deslocamento do sol no céu durante um período constatei que o norte ficara próximo ao meio do Morro da Baleia. Pronto! tripé da montagem alinhada para o sul!

Todo o equipamento montado até o final do dia e aproveitei para descansar um pouco e comer aquele macarrão instantâneo 👌
O "seeing" do céu variou muito durante as duas noites que passei por lá, em certos momentos nuvens densas tomavam quase todo o céu e impedia qualquer astrofotografia. Iniciei os trabalhos com uma câmera Canon T5i e lente 18-55mm fixada em tripé para tentar registrar a via láctea próximo a constelação de sagitário.


Próximo as duas da manhã deixei a câmera e me voltei para o telescópio. O objetivo era conseguir fazer o alinhamento polar e deixar tudo pronto para a noite seguinte. Já as quatro da manhã consegui fazer um alinhamento polar aceitável usando o método drift do PhD2. Em alguns momentos tentei utilizar um método chamado de Polar Iterate Align da própria montagem CEM60, mas sem muito sucesso. Igualmente sem sucesso tentei Drift posicionando o eixo de ascensão reta paralelo ao chão e eixo de declinação perpendicular ao RA apontando o OTA para zênite. Nesse caso por algum motivo que ainda não sei, o start trail não aumentavam e nem diminuíam com os ajustes no azimute nem na latitude. Quando descobrir o que eu estava fazendo de errado vou postar aqui!.

(foto por Rodrigo Faria)

Durante esse processo notei que teria problemas sérios com o orvalho na madrugada e eu só tinha uma dew heater para o C8, que nessa ocasião estava no meu telescópio de guiagem. Alnihamento pronto, OTA e guide com orvalho e o cansaço chegando resolvi ir para a barraca.
Sem muito sucesso também para descansar, acordei por volta das 7 da manhã com os outros hóspedes do camping indo para as trilhas e cachoeiras da região. Naquele momento lembro de olhar para o céu e perceber que a quantidade de nuvens havia aumentado. Nuvens que logo no inicio da tarde trouxeram chuva! Isso mesmo! chuva na chapada dos veadeiros em pleno período de seca no cerrado.
Com a chuva no horizonte ao sul chegando, tive que sair correndo e desmontar tudo! sim, perdi tudo que eu havia feito na noite anterior! Mas paciência, astrofotografia é assim mesmo.

Para a felicidade de todos a chuva foi embora e com elas as nuvens também se dissiparam durante a madrugada, trazendo aquele céu privilegiado da Chapada dos Veadeiros!

(foto por Rodrigo Faria)

Logo no inicio da noite, com o camping cheio, algumas pessoas de aproximaram e fizemos ali uma sessão de observação, puderam ver as crateras da Lua, Saturno e Júpiter. Passada a sessão, me voltei para fazer um novo alinhamento polar e ajustar novamente o foco que foi perdido para o uso das oculares Por volta de 1 da madrugada estava tudo pronto para tentar minha primeira captura de um objeto de céu profundo. Fiz uma primeira tentativa com M83 mas não tive muito sucesso e como ela já estava próxima ao horizonte, resolvi tentar M8 (Nebulosa da Lagoa) que estava bem no zênite.
Para tentar localiza-la no campo de visão de C8 fiz um alinhamento da montagem com Júpiter que estava passando próximo e fiz um goto para M8.
Iniciei um frame de 60s ISO 3200 com a Canon 6D II e fiquei aguardando e para a minha surpresa voila!! La estava estava ela no canto superior direito do campo de visão, tirei mais alguns frames de 60 e 120 segundos para empilhamento, totalizando 50 minutos de exposição.


A Nebulosa Laguna (Messier 8, NGC 6523) é uma gigantesca nuvem interestelar na constelação de Sagitário. É classificada como uma nebulosa de emissão, cujos gases ionizados, principalmente hidrogênio, emitem radiação principalmente no comprimento de onda na faixa da luz visível vermelha. Tem magnitude aparente 6,0 e situa-se a 4 850 anos-luz em relação à Terra 

Lições aprendidas:


  • Um bom alinhamento polar pode demorar horas, portanto tenha paciência! Se planeje se possível para fazer a aquisição das frames na noite seguinte.
  • Alinhe sua montagem com uma estrela ou planeta que esteja o mais próximo possível do seu alvo. Em uma região celestial próxima.
  • Leve ferramentas! meu adaptador T se soltou do anel da câmera e meu parafuso de ajuste de latitude também! Isso durante a madrugada, se eu não tivesse as ferramentas corretas teria viajado mais de 200km pra nada!
  • Tenha um dew heater para o OTA e para o guide scope.
  • Tenha um dew shield para o seu OTA, no meu caso a estrada estava próxima e sempre passavam carros. Vai ajudar a não captar luzes parasitas
  • Se possível ajuste o FOV do OTA, Guide, Buscadora durante o dia em um ponto distante. Vai ajudar durante a busca do seu alvo a noite.
  • Também faça um ajuste do seu foco durante o dia em algum ponto distante no horizonte. Vai ajudar a localizar estrelas no céu para fazer ajustes mais finos.
  • Se possível leve baterias para a montagem e notebook. Nem sempre o melhor lugar que você for escolher para montar seu equipamento terá uma tomada/extensão.
  • Exercite sua paciência! Muitas coisas que não podemos controlar vão acontecer!
  • Não conseguir seu frame desejado não significa fracasso, você vai perceber que está constantemente aprendendo! Astrofotografia mais do que uma arte, é ciência! Uma hora ele virá!
@astronomianocerrado

2 comments:

  1. Mano da forma que você citou com amor pela arte da Astronomia penso do mesmo jeito e amor isso mano parabéns, aprendo sempre com relatos assim, meu nome e Anderson resende de Almenara minas gerais.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigado Anderson! Feliz por saber que gostou do meu relato! Sigo por aqui tentando trazer um pouco da beleza do cosmos para todos! Abraço

      Delete

ARP 271 e a Supernova 2021pfs

Este é um mundo distante. Localizado nos confins do universo observável com mais de 13 bilhões de anos de idade, ARP 271 é a designação dada...